Últimas Publicações

Obrigações do Dia

  • 31/Março/2020 – 3ª Feira.
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral.
  • IRPJ/CSL - Lucro real anual - Saldo de 2019.
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável.
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos.
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física.
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal.
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut | Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB).
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias.
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie.
  • Operações com criptoativos.
  • Programa bienal de segurança e medicina do trabalho.
  • Declaração de Benefícios Fiscais (DBF).
  • Declaração de Transferência de Titularidade de Ações (DTTA).
  • Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais (Defis).
  • Informações prestadas pelas entidades de previdência complementar, sociedades seguradoras e administradoras de Fapi
  • Declaração de Rendimentos Pagos a Consultores por Organismos Internacionais (Derc).
saiba mais

Indicadores Econômicos

Moedas - 27/03/2020 15:52:48
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5,021
  • 5,023
  • Paralelo
  • 4,370
  • 5,100
  • Turismo
  • 5,000
  • 5,300
  • Euro
  • 5,537
  • 5,541
  • Iene
  • 0,046
  • 0,046
  • Franco
  • 5,212
  • 5,216
  • Libra
  • 6,094
  • 6,097
  • Ouro
  • 261,110
  •  
Mensal - 04/03/2020
  • Índices
  • Jan/20
  • Dez/19
  • Inpc/Ibge
  • 0,19
  • 1,22
  • Ipc/Fipe
  • 0,29
  • 0,94
  • Ipc/Fgv
  • 0,59
  • 0,77
  • Igp-m/Fgv
  • 0,48
  • 2,09
  • Igp-di/Fgv
  • 0,09
  • 1,74
  • Selic
  • 0,38
  • 0,37
  • Poupança
  • 0,05
  • 0,05
  • TJLP
  • 5,09
  • 5,57
  • TR
  • -
  • -
saiba mais

PIB cresce 0,1% no 3º trimestre, na terceira alta seguida

Economia brasileira cresceu 1,4% na comparação com o trimestre anterior e acumula alta de 0,6% no ano; IBGE revisou para cima PIB do 1º e 2º trimestres.

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 0,1% no terceiro trimestre deste ano, na terceira alta seguida na comparação com os três meses anteriores. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 1,6 trilhão.

Os economistas ouvidos pelo G1 previam uma variação do PIB maior no terceiro trimestre. No entanto, eles ressalvam que a variação de 0,1% no período foi compensada por uma revisão no resultado do PIB acima das expectativas.
“O 0,1% espantou um pouco, mas é preciso ter cuidado nessa análise, porque o IBGE revisa bem as contas no terceiro trimestre e isso mudou bem a dinâmica trimestral”, afirma Alessandra Ribeiro, economista da Tendências, que projetava uma alta de 0,4%.
Por rotina, o IBGE revisou o PIB do primeiro e segundo trimestres. Em vez do crescimento de 0,2% no período de abril a junho, o avanço foi de 0,7%. Já no primeiro, o crescimento foi de 1,3%, ao contrário do 1% anteriormente divulgado.

Resultado por setores

Entre os setores da economia, indústria e serviços avançaram, enquanto a agricultura registrou retração no terceiro trimestre. A indústria cresceu 0,8%, influenciada pelas indústrias de transformação (1,4%) e extrativa (0,2%).
Já o setor de serviços avançou 0,6%, diante do resultado positivo do comércio (1,6%). A expansão já era percebida por empresas e consumidores ouvidos pelo G1 - veja relatos na reportagem especial.
Na contramão, a agropecuária recuou 3%, após uma queda de 2,3% no trimestre anterior e de uma forte alta de 12,9% de janeiro a março.
“A agropecuária foi a grande responsável pelo PIB não ter crescido mais. Caiu porque a gente não tem mais safra da soja e entrou a safra da cana, que está com estimativa de queda. Pelo serviço e pela indústria, a gente teria crescido bem mais”, disse Rebeca de La Rocque Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE.
Segundo ela, ignorando a agropecuária, o crescimento do terceiro trimestre teria ficado entre 0,6% e 0,8%.

Consumo em alta

O consumo das famílias, que durante muitos anos sustentou o crescimento da economia brasileira, puxou novamente o resultado do PIB do terceiro trimestre de 2017. No período, a alta foi de 1,2%, a mesma registrada no trimestre anterior.
Segundo a pesquisadora, o crescimento do consumo das famílias foi influenciado pelo aumento de 2% da massa salarial real, pela queda da taxa de juros e pela desaceleração da inflação.
Além do consumo das famílias, também entram no cálculo do PIB os gastos do governo, investimentos e o resultado da balança comercial.
As despesas do governo seguem em queda pelo quinto trimestre consecutivo (-0,2%), segundo o IBGE.
O desempenho do setor externo também contribuiu com o PIB do terceiro trimestre, ainda que tenha peso menor do que os outros indicadores. As exportações cresceram 4,1%, depois do avanço de 1,2% no segundo trimestre, e as importações subiram 6,6%, após queda de 3,4%.

Investimentos
Um dos grandes destaques do PIB do terceiro trimestre foi a retomada do crescimento dos investimentos, medidos pela Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), taxa que apura o que se investe em máquinas, bens duráveis e construção civil. O investimento avançou 1,6% na comparação com o trimestre anterior, na primeira alta desde o terceiro trimestre de 2013.
Investimentos voltam a subir após 4 anos de queda
Com a alta, a taxa de investimentos medida em percentual do PIB (Produto Interno Bruto) subiu para 16,1% no 3º trimestre.
Com a volta dos investimentos, reforçam as apostas dos economistas de que a recuperação da economia brasileira tende a ganhar um pouco mais de tração daqui para frente.

“A grande diferença neste trimestre é a recuperação dos investimentos. Até o ano passado a gente continua com quedas seguidas e agora houve crescimento de 1,6%”, disse a coordenadora do IBGE.
De acordo com Rebeca, o avanço dos investimentos se deve à produção e a importação de bens e serviços, já que a construção ficou estável em relação ao trimestre anterior.
“A gente vai ver que a exportação da agropecuária foi altíssima neste terceiro trimestre. A maior parte da produção de soja e de milho estava sendo acumulada e começou a ser escoada neste trimestre.”

Comparação com 2016
O resultado do PIB também pode ser comparado com o registrado no mesmo período do ano passado. Nessa base de comparação, a economia cresceu 1,4%, na maior alta desde o primeiro trimestre de 2014.
Nessa base de comparação, ao contrário do que foi observado na análise trimestral, a agropecuária cresceu 9,1%. O IBGE atribui esse resultado ao bom desempenho da safra no período, como a do milho (54,9%) e a do algodão herbáceo (10,7%).
A indústria avançou 0,4%, puxada pelo aumento da produção de alimentos, veículos, móveis, máquinas e equipamentos, entre outros. Serviços, por sua vez, tiveram alta de 1%, sob influência do comércio (atacadista e varejista).
“Olhando por dentro das 12 atividades, a gente vê o comércio como maior destaque [cresceu 1,6%]. Ele está relacionado com o aumento do consumo das famílias”, afirmou Rebeca.

Acumulado no ano
No ano, o PIB acumula crescimento de 0,6%, puxado pela agropecuária, que avançou 14,5%. Os demais setores da economia ainda estão em queda, no acumulado do ano.
A atividade na indústria recuou 0,9%, com a retração na construção civil (-6,1%) influenciando negativamente o resultado.
Já o setor de serviços também tem, até setembro, resultado negativo (-0,2%), influenciado pelas atividades de informação e comunicação (-2%) e atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (-1,8%).
Apesar de ter subido pela primeira vez em 16 trimestres no período de julho a setembro, o investimento acumula queda de 3,6% no ano.
A despesa de consumo das famílias avança 0,4% e os gastos do governo recuam 0,6%. As importações de bens e serviços sobem 3,9%, e as exportações, 4%.

Brasil na lanterna
Apesar de voltar a crescer, a expansão da economia brasileira ainda é aquém do resultado dos demais países

Um ranking da expansão no terceiro trimestre, na comparação anual, elaborado pela Austin Rating mostra o Brasil em antepenúltimo em uma lista de 47 países.

fonte: g1.globo

Site desenvolvido pela TBrWeb
(XHTML / CSS)
MFM Contabilidade e Consultoria S/S LTDA
Av. Anita Garibaldi, 850 - sala 812 - Torre Premium - Bairro Cabral - Curitiba/PR
CEP: 80540-180  |  Fone / Fax (41) 3086 1412