Últimas Publicações

Obrigações do Dia

  • 15/Julho/2020 – 4ª feira.
  • ICMS | Transmissão Eletrônica de documentos fiscais emitidos em via única.
  • ICMS.
  • ICMS / REDF | Registro Eletrônico de Documento Fiscal (REDF).
  • ICMS | Operações ou prestações destinadas a não contribuinte.
saiba mais

Indicadores Econômicos

Moedas - 15/07/2020 12:58:01
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5,330
  • 5,332
  • Paralelo
  • 5,010
  • 5,570
  • Turismo
  • 5,300
  • 5,620
  • Euro
  • 6,085
  • 6,089
  • Iene
  • 0,050
  • 0,050
  • Franco
  • 5,647
  • 5,651
  • Libra
  • 6,727
  • 6,730
  • Ouro
  • 312,240
  •  
Mensal - 04/03/2020
  • Índices
  • Jan/20
  • Dez/19
  • Inpc/Ibge
  • 0,19
  • 1,22
  • Ipc/Fipe
  • 0,29
  • 0,94
  • Ipc/Fgv
  • 0,59
  • 0,77
  • Igp-m/Fgv
  • 0,48
  • 2,09
  • Igp-di/Fgv
  • 0,09
  • 1,74
  • Selic
  • 0,38
  • 0,37
  • Poupança
  • 0,05
  • 0,05
  • TJLP
  • 5,09
  • 5,57
  • TR
  • -
  • -
saiba mais

A Técnica do Orçamento Base-Zero

Aqueles que trabalham em empresa podem estar mais familiarizados com o termo Orçamento Base Zero, porque é uma ferramenta reconhecida e utilizada no mundo corporativo para eliminar gastos desnecessários. Essa técnica já comprovou sua eficiência tanto que tem sido também bastante utilizada por empresas reconhecidas por terem seus custos extremamente enxutos, como é o caso da mega cervejaria Ambev. No entanto, qualquer pessoa interessada em finanças pessoais e em sua gestão monetária pode utilizar essa mesma técnica, que terá bons resultados.

A Técnica de Orçamento Base-Zero pode ajudar a eliminar alguns gastos de uma vez por todas, principalmente aqueles que estão presentes por força da imobilidade, frequentemente por anos, e sem que a pessoa se dê conta que não precisa verdadeiramente de conviver com eles.

Uma receita básica pode seguir alguns simples passos:

  1. Coloque na primeira linha a renda mensal líquida;
  2. Liste todos os destinos do dinheiro, sem colocar nenhum valor inicialmente. Coloque como primeiro item da sua lista a categoria ‘Investimentos’. É possível que eles não caibam no seu orçamento hoje, mas é aí que essa técnica começa a ficar interessante.
  3. Logo abaixo procure listar todas as suas categorias de gastos, ainda sem colocar nenhum valor, somente os nomes das categorias (ex.: escola, aluguel, supermercado e etc.). Liste tudo o que seja necessário.
  4. As parcelas das dívidas e financiamentos também precisam estar nesse lugar, se for esse o caso. Note que até esse momento, o único valor que aparece na sua planilha é o da renda líquida. Pois bem, a soma dos seus gastos não pode ultrapassar a renda líquida.
  5. Feito isso é preciso começar a preencher com os demais valores. A primeira linha que você vai preencher é a do investimento. Normalmente as pessoas tratam o investimento como a ‘sobra’. É preciso inverter essa condição e se garantir primeiro.
  6. Quanto você gostaria de separar todos os meses (sugiro algo entre 3% e 10% da sua renda, se conseguir mais, melhor)
  7. Agora você precisa fazer a conta de chegada. O que você vai fazer com a renda que sobra depois da parcela dos investimentos? O que realmente é prioridade na sua vida? Será que aquela tv a cabo de R$ 500,00 é tão importante assim? É preciso ter sempre isso em vista.

Segundo o Small-Business-Accounting-Guide, ou Guia de Contabilidade para Pequenos Negócios, esse método obriga que você faça a justificativa de todas as despesas planejadas para cada novo período de exercício. Os outros métodos mais tradicionais, em geral, exigem apenas que você explique os valores necessários, além do financiamento do período anterior.

O Orçamento Base-Zero tem sido muito indicado para ongs e até mesmo para orçamentação governamental. Neste caso, ele é muito aconselhado porque as despesas podem facilmente ficar fora de controle se for assumido automaticamente que aquilo que foi gasto no ano anterior deve ser gasto neste ano também.

Em finanças pessoais, o termo Orçamento com Base-Zero, às vezes, é usado para descrever a prática de planejar cada ‘real’ de receita que você recebe e, em seguida, ajustar parte de seu plano conforme a necessidade. Naturalmente, há vantagens e também desvantagens que devem ser consideradas.

Entre os pontos favoráveis está alocação eficiente de recursos, pois se baseia em necessidades e benefícios; auxilia a descobrir maneiras econômicas de melhorar as operações; ajuda na detecção de previsões infladas; identifica e elimina desperdício; e incentiva a olhar mais criticamente a maneira como os serviços são prestados. Na relação de aspectos desfavoráveis está o fato de você ter que justificar todos os detalhes relacionados às despesas; e pode ser mais demorado e exaustivo que outros métodos tradicionais, entre outros pontos.

Fonte: Jornal Contábil  - 02/03/2020

Site desenvolvido pela TBrWeb
(XHTML / CSS)
MFM Contabilidade e Consultoria S/S LTDA
Av. Anita Garibaldi, 850 - sala 812 - Torre Premium - Bairro Cabral - Curitiba/PR
CEP: 80540-180  |  Fone / Fax (41) 3086 1412